FANDOM


A guerra entre a Federação e os klingons do 2256 é o conflito entre a Federação Unida dos Planetas e o Império Klingon que acontece na série de televisão Star Trek: Discovery.

Desde a Batalha de Donatu V no ano 2245, as duas civilizações não tinham interatuado entre elas, num tipo de guerra fria interestelar.

O conflito começou desde a batalha das estrelas binárias, provocada pelo klingon T'Kuvma para provocar a união de todos os clãs klingons numa causa comum contra a Federação.

Batalha das estrelas binárias Editar

Esta batalha iniciou-a T'Kuvma danando um repetidor interestelar da Federação num sistema binário em Gamma Hidra, perto da zona neutral romulana, para provocar uma confrontação. A nave USS Shenzhou foi enviada a pesquisar o incidente. Durante a investigação, a comandante Burnham matou um klingon hostil. A Shenzhou enviou um sinal de auxílio a todas as naves próximas ao mesmo tempo que T'Kuvma ativou a Tocha de Kahless para chamar os 24 clãs klingons. Depois do apelo, reuniram-se dez naves da Federação e vinte e quatro naves klingons, uma da cada clã. T'Kuvma ordenou atacar a Shenzhou, que começou a fazer manobras evasivas. Pouco depois as naves da Federação responderam ao fogo, causando grandes danos às naves klingons. A respondida das naves klingons e a sua superioridade numérica provoca a destruição da USS Clarke e a USS Yeager e a Shenzhou ficou seriamente danada, perdendo o controlo de voo. A batalha continua com a perda de ao menos sete naves da Federação até que os líderes klingons vêem que a batalha está ganhada e decidem voltar para Kronos e juntar-se para lutar contra a Federação.

Ao final da batalha, quando a nave de T'Kuvma fica sozinha no campo de batalha, a tripulação da Shenzhou transporta um explosivo dentro da sua nave e transportam-se na nave para capturar T'Kuvma. Durante a abordagem, a capitã Georgiou morreu e Michael Burnham matou T'Kuvma pelas costas.

Fim da guerra Editar

Quando a Discovery voltou ao universo principal com a imperatriz Philippa Georgiou do universo espelho, a almirante Katrina Cornwell diz-lhe que no universo principal ela não é ninguém, mas a imperatriz Georgiou diz que ela sabe como vencer os klingons, quem praticamente tinham ganhado a guerra. A imperatriz Georgiou faz um acordo com a almirante Cornwell: ela ajudá-los-á a ganhar a guerra em troca da sua própria liberdade e de liderar o ataque definitivo. A almirante Cornwell aceita e nomeia a imperatriz Georgiou como a nova capitã da USS Discovery. Georgiou propõe ir para Kronos com o motor de esporos da Discovery, mas em realidade tem de lançar uma bomba que destruirá todo Kronos. A Michael Burnham descobre que esta ideia vem da almirante Cornwell, e a tripulação da Discovery opõe-se a esta missão dizendo que a Federação Unida dos Planetas não tem estes ideais. Em troca, Michael propõe a L'Rell que ela terá o destino de Kronos nas suas mãos, e tem de dizer aos seus líderes que se não acabarem a guerra, ela destruirá Kronos. L'Rell fá-lo, e a guerra acaba.