FANDOM


Michael Burnham, 2257

Michael Burnham.

Michael Burnham originalmente tinha sido uma xenoantropóloga servindo como Primeiro Oficial da nave USS Shenzhou sob o comando da capitã Philippa Georgiou (Michelle Yeoh), e serviu sete anos nesta nave. Neste cargo amotinou-se mas foi encarcerada, destituída do seu cargo e condenada a prisão perpetua. Após seis meses em prisão, Burnham foi recrutada pelo Capitão Gabriel Lorca (Jason Isaacs) para ajudá-lo na guerra entre a Federação e os klingons do 2256 e passou a fazer parte da tripulação da USS Discovery (NCC-1031) como Especialista de Ciência. É introduzida como uma antropologista que promove pesquisas sobre novas raças e culturas em nome da Frota Estelar.

É irmã adoptiva da Spock, já que foi adoptada por Sarek e a sua mulher Amanda depois de que os Klingons matassem os seus pais biológicos num ataque na estação Doctari Alpha. Foi a primeira humana a ser aluna do Centro de Aprendizagem Vulcaniano e da Academia de Ciências Vulcaniana onde se graduou como xenoantropóloga.

Informação de fondo Editar

Michael Burnham é uma personagem fictícia e protagonista da série televisiva de ficção científica Star Trek: Discovery interpretada pela atriz estadunidense Sonequa Martin-Green.

Burnham é a primeira mulher e negra a protagonizar uma série televisiva da franquia Star Trek, assim como a primeira protagonista que não é capitã de uma nave da Frota Estelar. Contudo, acaba assumindo o comando da USS Shenzhou no universo espelho. Bryan Fuller desenvolveu a personagem com base no impacto cultural da performance de Nichelle Nichols como Nyota Uhura e nas biografias de Mae Jemison e Ruby Bridges. Conforme o desenvolvimento do enredo, Burnham é revelada como irmã adotiva de Spock (Leonard Nimoy), tendo sido adotada por Sarek quando os seus pais foram mortos pelos Klingons.

A personagem levantou controvérsia sobre a decisão de Fuller em relacioná-la com a família de Spock. Houve também uma controvérsia em escalar uma protagonista afro-americana, que levou a diversos debates nos setores da imprensa. Contudo, o desenvolvimento da personagem têm sido altamente elogiado pela crítica especializada, com destaque para a atuação de Martin-Green.